quinta-feira, 8 de julho de 2010

Recordações

Crochetava sem parar, pois quando estava preocupada, ou triste, inconformada por não poder resolver os problemas, era seu refúgio, seu colo. Aquela agulha de crochê lhe dava alento. Era o ombro que nunca teve para compartilhar suas dores. Dessas dores saiam os mais lindos trabalhos já vistos...linhas emendadas, tudo se aproveita, ela diria... surgiam almofadas, colchas, blusinhas, bolsinhas... assim foi sua vida!
Ana Cristina

2 comentários:

Elba disse...

Lindo texto!
A quem se refere, Ana?
Obrigada pela visita e comentário pelo post de hoje.
Um abençoado final de semana pra você.
Beijihos! :)

Aninha disse...

Minha Lindinha!
É preciso viver o sonho e a certeza que tudo vai mudar,acreditar que as coisas boas estão dentro da gente,onde os desejos não precisam de razões,nem os sentimentos de motivos.
Passei para lhe desejar um Maravilhoso final de semana e deixar muitossssssssss bjinhos em seu coração.
Aninha. (*.*).